HISTÓRIA DA FUNDAÇÃO DA ADSB

 

Numa época só existia uma só associação aqui no Distrito Federal, que denominava ASDF – Associação dos Surdos do Distrito Federal, que tinha como seus associados surdos de todo o DF e neles havia dois grupos que viviam em conflito em si, e entre os principais insatisfeitos estava o grupo liderado pelo Carlos Augusto da Silva, conselheiro da CBDS, que num momento inesperado foi expulso pela diretoria da CBDS sem ao menos entender o motivo e muito menos teve o direito de defesa, e Luiz Cláudio Fernandes de Carvalho, principal líder do grupo, ambos que se sentiam excluídos pela outro grupo que eram maioria, e por este motivo o Carlos Augusto e Luiz Cláudio tiveram a ideia de criar outra associação em Taguatinga, cidade satélite de Brasília – DF.

Para madurecer esta ideia, Carlos e Luiz chamaram outros surdos do grupo dos excluídos para se juntarem num objetivo de fundar outra associação para que pudesse desenvolver um trabalho conjunto, e assim, se reuniram diversas vezes com dificuldade devida que nesta época por serem surdos, não tinha telefone adaptado, nem celular para trocas de torpedos, e-mails, redes sociais, para trocas de recados e ou informações, o contato entres surdos se davam através de favores dos seus familiares e amigos que os mesmos solicitavam para ligarem para casa do outro surdo e deixar o recado marcando um encontro em um lugar ou avisar num caso de cancelamento ou mudança de local do encontro, mas apesar destas dificuldades, sempre tiveram determinação, vontade e luta em busca de melhorias dentro da comunidade surda.

No dia 21 de abril de 1990, foi o dia mais importante da história para fundação da Associação Desportiva dos Surdos de Brasília, este foi o nome escolhido pelos surdos e foi neste mesmo dia, que estava marcado a primeira assembleia e eleição para escolha do primeiro presidente da ADSB, os candidatos nesta eleição, foram o Carlos Augusto e Luiz Cláudio, na qual o Carlos saiu vencedor e o mesmo convidou o Luiz Claúdio para ser o vice presidente, que aceitou e ambos foram muito elogiados e aplaudidos por todos os presentes na assembleia.

A gestão do primeiro presidente eleito durou apenas 6 meses, devido a impossibilidade de conciliar a vida familiar com o trabalho de presidente após o nascimento do filho, visto, que como presidente de uma associação tem diversos compromissos e trabalho na busca de consolidação do entidade, como ir em cartório, bancos e demais órgãos, e assim, resolveu renunciar ao cargo, passando a presidência ao vice Luiz Cláudio, que continuou com o trabalho feito pelo Carlos Augusto com muita luta e disposição e apoio do Jackson Carlos Barbosa.